Críticas

João e Maria: Caçadores de Bruxas (2013)

É até divertido, mas esbarra na condução infantil e na falta de ousadia, características que o afastam de se tornar um filme inesquecível.

João e Maria (2013)

A Bruxa está solta!

João e Maria: Caçadores de Bruxas
Título Original: Hansel & Gretel: Witch Hunters
Ano: 2013 • País: EUA, Alemanha
Direção: Tommy Wirkola
Roteiro: Tommy Wirkola
Produção: Will Ferrell, Beau Flynn, Chris Henchy, Adam McKay, Kevin J. Messick
Elenco: Jeremy Renner, Gemma Arterton, Peter Stormare, Famke Janssen, Pihla Viitala, Derek Mears, Robin Atkin Downes, Ingrid Bolsø Berdal, Joanna Kulig, Thomas Mann

O Cinema Fantástico vive de tendências: houve a época do expressionismo alemão (década de 20), dos monstros clássicos (30 e 40), invasão dos gigantes oriundos do medo de uma guerra nuclear (50 e 60), a volta das criaturas lendárias a cores (60 e 70), do horror cru e baseado em fatos reais (70), dos slashers e do terrir (80), dos slashers teens (90), dos remakes, do torture porn, zumbis velocistas e found footage (anos 2000). De uns anos para cá, estamos tendo um resgate dos contos infantis em adaptações cheias de efeitos especiais e pouco relacionadas com o material original. A Garota da capa Vermelha (versão Crepúsculo de Chapeuzinho Vermelho), Branca de Neve e o Caçador (versão adulta de Branca de Neve e os Sete Anões), e, agora, João e Maria: Caçadores de Bruxas (versão Van Helsing de João e Maria); e, ainda em 2013, Jack – O Caçador de Gigantes (versão Hobbit de João e o Pé de Feijão). E pensar que já tivemos ótimos exemplares de adaptações nas décadas passadas como A Companhia dos Lobos (84) e Floresta Negra, comprovando o quanto podem ser realizados trabalhos sombrios com criatividade e talento.

João e Maria é um conto alemão infantil escrito pelos Irmãos Grimm – eles escreviam histórias que ouviam, o que faz com que seus textos sejam oriundos de lendas do século XIV – e publicado em 1812 sobre duas crianças que são deixadas na floresta e acabam perdidas quando as migalhas de pão usadas para orientação são devoradas por pássaros. Na busca por abrigo, elas encontram uma casa feita de doces, ocupada por uma velha bruxa, que pretende alimentá-los para mais tarde fazer uma bela refeição deles. Os pequenos enfrentam a bruxa, atirando-a para dentro do próprio forno, e são resgatados pelo pai. Como toda obra dos Irmãos, esta também tem uma análise mais profunda, envolvendo uma crítica aos homícidios infantis que ocorriam com frequência na Idade Média devido à escassez de comida. O conto já havia tido outras adaptações e versões até a tendência atual de resgatá-los com efeitos mais elaborados.

João e Maria (2013) (2)

No caso de João e Maria: Caçadores de Bruxas, a referência ao texto original termina nos primeiros dez minutos, logo após os irmãos (Hansel e Gretel, no original) vencerem a bruxa. Como vivem num período conturbado pelas ameaças sobrenaturais, os jovens crescem como matadores de bruxas, principalmente quando descobrem que os poderes delas não funcionam com eles. João (interpretado pelo carismático Jeremy Renner, de Os Vingadores) e Maria (Gemma Arterton, de Fúria de Titãs) tornam-se especialistas no serviço, adquirindo habilidades e armas próprias, enquanto viajam por vilarejos para ajudar a exterminar a ameaça do local.

Quando chegam à cidade de Augsburg, eles salvam a bela Mina (Pihla Viitala) das garras do Xerife Berringer (Peter Stormare, O Último Desafio) e topam o desafio proposto pelo prefeito Engleman (Rainer Bock, de Bastardos Inglórios) de encontrar as crianças desaparecidas da região e matar as bruxas que os sequestraram, lideradas pela terrível Muriel (Famke Janssen, de Busca Implacável 2). O confronto irá resgatar o passado dos irmãos, fazendo-os retornar à velha casa feita de doces e finalmente entender o que aconteceu com os seus pais.

João e Maria (2013) (3)

Embora haja elementos de horror na trama, como a caracterização das temíveis bruxas auxiliadas por um gigantesco Troll chamado Edward (Derek Mears, o Jason de Sexta-Feira 13, 2009), o filme João e Maria: Caçadores de Bruxas é evidentemente uma aventura repleta de fantasias e lutas coreografadas. Aliás, chega a incomodar as batalhas entre os heróis e as bruxas, numa luta corporal repleta de socos e pontapés que não combinam com a mitologia das criaturas consideradas maléficas. O longa de Tommy Wirkola (do excelente Zumbis na Neve) está mais voltado para o estilo Van Helsing – O Caçador de Monstros e Os Irmãos Grimm do que para um filme de terror, principalmente com a inclusão de piadinhas em situações de perigo.

Também contribui muito para a avaliação negativa os excessos de clichês da trama, facilitando para o público saber como tudo irá terminar. É provável que o ator Jeremy Renner seja o único motivo para uma conferida no filme, já que o ator provou ter talento para filmes de ação, participando de inúmeros projetos nos últimos anos. João e Maria: Caçadores de Bruxas é até divertido, mas esbarra na condução infantil e falta de ousadia, características que o afastam de se tornar um filme inesquecível. O orçamento da produção chegou próximo dos 50 milhões, mas até o momento não alcançou o investimento, mesmo com o 3D permitindo o encarecimento dos ingressos. Contudo, não duvide se uma continuação estiver nos planos da Paramount.

Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É grande fã de Rock Clássico e também baterista!

4 Comentários

  1. Jaqueline Andreone

    <3 assisti no colégio achei maravilhoso e recomendo para quem quiser ☺

  2. Hierofante1970

    Assisti e achei muito bom recomendo.

  3. vanessa vasconcelos

    depois eu assisto,sem pressa.

    • Jaqueline Andreone

      vc nao vai se arrepender é muito bom <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>